Carta a um filho que cresceu

111

Sabe filho, não sei explicar muito bem o que senti no dia que fiz a descoberta mais incrível da minha vida: seu coraçãozinho batia dentro de mim! Lágrimas de alegria jorraram de meus olhos. Algumas de apreensão também, afinal eu era tão nova, tão sem experiência com a vida… Mas você chegou e foi o suficiente para que eu me tornasse uma leoa cheia de coragem de lutar por você. Algumas pessoas me falaram coisas indecentes, como tirar você de dentro de mim antes que crescesse. Era nova, pobre e nem tinha casado no papel. Uma vida realmente difícil, mas eu optei por você. Escolhi gerar você e desde o começo eu sabia: é menino! Não sei como e nem por que, eu só sentia.

Não posso dizer que sua gestação foi a das mais fáceis. Eu sofri um bocado com dores emocionais e físicas e acredito que a maior delas foi te ver nascer tão roxinho, pequenininho, quase sem respirar. Você nasceu muito doente, filho. Mas a luz que sua chegada trouxe em minha vida foi maior do que qualquer complicação em sua saúde. Te amei intensamente muito antes de você nascer e quando te vi em meus braços… era como se o mundo tivesse parado.

E desde aquele dia, meu amor somente aumentou. Eu podia deixar de comer para que você não ficasse com fome, quantas vezes não comprei roupas para mim para que você andasse bem vestido, quantas noites sem dormir quando você passava mal e descobri que dar a minha vida por você? Fichinha para uma mãe tão cheia de amor.

Mas então você cresceu. E que lindo rapaz se tornou, meu filho.  Sua presença me alegra e seu sorriso ilumina toda a casa. Mas eu não entendo porque você sorri tão pouco. Também não consigo pensar no motivo de você não gostar de conversar comigo. Eu sei que sou exigente e algumas vezes chata, mas faz parte da arte de ser mãe, não é? Sabe filho, às vezes fico pensando no que eu fiz de errado depois que você cresceu. Juro que pensei estar fazendo tudo da melhor forma. Mas então porque você me responde tão mal? Suas respostas ríspidas e curtas quebram o meu coração em quatro. Queria tanto que você me enxergasse como amiga e dividisse sua vida comigo, mas a cada vez que pergunto algo sobre sua vida você dispensa suas meias palavras cheias de descaso. Seus gritos. Suas palavras secas. Suas ignorâncias em formato de palavras.

Desculpe te escrever isso, filho, mas eu precisava te dizer que mãe tem coração e que ele fica amassado como uma folha de papel quando recebe o desprezo de quem gerou. E para não me estender mais, queria te dizer também que eu continuarei aqui, ansiosa pelo dia em que sentirei novamente aquele abraço longo, apertado e cheio de amor que eu costumava ganhar de um menininho banguela há dez anos atrás. E tomara que esse dia não demore a chegar, afinal, mãe não vive pra sempre.

 

“O filho sábio alegra a seu pai, mas o filho insensato é a tristeza de sua mãe”

– Provérbios 10:1 –

“Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre a terra. E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor.”

– Efésios 6:1-4 –

“Filho meu, guarda o mandamento de teu pai e não deixes a instrução de tua mãe; ata-os perpetuamente ao teu coração, pendura-os ao pescoço. Quando caminhares, isso te guiará; quando te deitares, te guardará; quando acordares, falará contigo. Porque o mandamento é lâmpada, e a instrução, luz; e as repreensões da disciplina são o caminho da vida”

– Provérbios 6:20-23 –

Esse conto foi inspirado na história de uma mãe que eu conheço e apesar de não ser mãe, sou filha e ao me colocar no lugar dela pensei em quantas são desonradas por aqueles que deveriam amá-las. Sei que todas as mães têm defeitos, a minha tem e a sua também. E certamente nossos filhos, quando tivermos, também enxergarão defeitos em nós, mas falhas não são impeditivos de amor. Nunca devem ser. Que a gente consiga aproveitar a companhia e o amor de quem Deus colocou no mundo pra cuidar de nós (mesmo depois de adultos) e honra-las não só porque é o primeiro mandamento com promessa, mas porque fazê-las feliz também faz Deus feliz. E a alegria do Senhor é nossa força, né?! Curta sua mãezinha, releve os defeitos dela e trate-a como uma mulher que, antes de qualquer coisa, merece muito respeito.

E um abraço cheio de beijinhos especialmente pra minha querida digna de honra, mamãe Marli! Amo você!

Anúncios

4 comentários em “Carta a um filho que cresceu

  1. Deve ser difícil pra uma mãe sentir “o coração partir em quatro”, Sabe Arlene, às vezes fico pensando como é sentir tudo isso que você descreveu… se doar de uma maneira tão pura simplesmente por amar. Sábado eu assisti a um programa onde o cantor falava das reflexões que fez quando se tornou pai, ele disse que quando chegou esse tempo ele pode entender um pouquinho mais do amor de Deus para com a gente, um amor que não pensa em condições, que protege, que cuida porque sabe o que é melhor pro filho. E mesmo com erros, Ele continua tendo por nós um amor incansável. Seu texto me lembrou bem isso.

    Curtir

    1. E é bem isso… lembra do versículo que diz que ainda que a mãe venha a se esquecer do filho, Ele nunca se esquece de nós? Como você disse, é um amor incansável. Acredito que essa seja uma ótima descrição do que é o amor de Deus. Um amor que não desiste e tem paciencia de sobra, hehe. O amor dos pais, muitas vezes, é mais uma das formas que Deus escolheu pra mostrar um pouquinho desse amor incondicional a nós!
      :*

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s